Porque vou te dizer uma coisa, meu irmão. Aquela cultura que eu vi lá, não é pra todo mundo.
Aquilo ali é um dom que vem de raízes.”

SEU LORO, Quilombo Sta. Rosa dos Pretos, Maranhão

SINOPSE

CRIOULA REINADO é um documentário realizado através de um encontro precioso entre povos de matriz africana.

A expedição, em forma de intercâmbio, foi aos quilombos Santa Rosa dos Pretos (MA), Mato do Tição (MG) e aos povos reinadeiros de Oliveira (MG) para viver o cotidiano de pessoas que lutam por sua tradição e ancestralidade, enquanto se mantêm vivos como participantes ativos da construção cultural, histórica e territorial desse país.
MASTRO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO
Quilombo de Santa Rosa dos Pretos, Maranhão

ARGUMENTO

por ANDRÉ ANASTÁCIO

O sal não faz sombra na água do mar, atravessa oceano, escorrega da testa preta brilho prata do sol a pino. Cai sobre a terra a lamúria da travessia forçada, da raiz sangrada, do banzo bantu silenciado no açoite.

No mercado do porto vendia-se carne negra, a receita da desumanidade usava o corpo escravo como força motriz para extrair açúcar da terra. O privilégio do doce na mesa de poucos é féu na garganta sofrida de muitos.
Quando o sol oferece clemência ao ardor da ferida aberta, cai sobre a terra o negro como a noite, transforma a dor do açoite em murro na pele do tambor e coice no giro da saia.

Acende a fogueira, uma luz,
evocando de seus ancestrais
sua força.

O fogo molda o tom da liberdade do corpo e da mente, e o divino se manifesta em acalanto as dores causadas na vida. O transe vibra a pele do tambor e se faz instrumento de conexão com as forças da natureza, com o divino em devir, dentro e fora do corpo movendo o todo. Assim o sofrimento se fez poesia na metafísica do tempo, e os encontros criaram uma rede de relações identitárias para nenhum tráfego(ico) de energias ocorrer em vão.

Os povos da diáspora são povos de re-existência,
recriação da vida.

Arrancados de sua origem lutaram contra a morte do corpo e do espírito. Transmutaram a dor em alegria, o cárcere em liberdade, a história em cultura, a desgraça em fé. Se trata de outra forma de viver o mundo, outra ciência, comunicação, filosofia. Inteligência integrada a uma metafísica do animismo, a imanência é latente.
Essa forma de olhar o mundo carrega missões, e talvez uma delas seja desembrutecer o estado de espírito, na esperança de uma humanidade mais sensível às emoções que nos conectam como parte de um todo.

SIGA A MARANHA NO INSTAGRAM E ACOMPANHE O CRIOULA REINADO

FESTIVAL DE LANÇAMENTO

CRIOULA REINADO será lançado em um festival itinerante nas comunidades participantes do projeto. Um espaço de (re)encontro precioso entre culturas de matriz africana, onde os personagens são pilares sociais de suas regiões e exibem sua trajetória de luta, força, fé e sabedoria do povo negro.


Fica o convite:

18 de maio – 18h
Irmandade Nossa Senhora das Mercês
Oliveira, Minas Gerais

06 de julho – 19h

Quilombo do Mato do Tição
Jaboticatubas, Minas Gerais

19 de julho – 19h

MIS Cine Santa Tereza
Belo Horizonte, Minas Gerais

10 de agosto – 17h

Festa do Divino do Quilombo de Santa Rosa dos Pretos
Itapecuru-Mirim, Maranhão

2020

Com local e data a definir, em São Paulo/SP

QUER MAIS INFORMAÇÕES OU TEM INTERESSE EM EXIBIR?
ENTRE EM CONTATO.

TV CULTURA

Vencedor do edital Spcine Nº 04/2018, o filme será exibido pela TV Cultura nos anos de 2019 e 2020, com primeira exibição em 17 de novembro, como parte do calendário da Semana da Consciência Negra.

 

Cartaz oficial

FICHA TÉCNICA

Nome do filme: Crioula Reinado
Gênero: Documentário
Cidade de produção: São Paulo
Ano de finalização: 2019
Duração: 106 minutos
Direção
Tiago Pereira e Victor Dias
Produção executiva
Paula Kimo e Tiago Pereira
Roteiro
André Anastácio
Fernanda Cabral
Isabella Santos
Karoline Maia
Paula Kimo
Tiago Pereira
Victor Dias.

Elenco
Aierson Vitorino da Silva
Ester Antonieta Santos
Francisco Pires
Gilson Antônio dos Santos
Hellen Jaqueline Pires Belfort Pereira
Josicléa Pires da Silva
Kátia Aracelle Gonçalves
Lourival Fonseca
Lusitano Belfort
Maria da Conceição Gomes da Silva
Maria Dalva Pires Belfort
Mayanne Pires Belfort
Pedrina de Lourdes Santos
Rafael Augusto Silva Santos
Rosaura Maria Ferreira
Sabrina Hellen de Paula Santos
Sidney Alves Moreira
Direção de produção
Paula Kimo
Direção de fotografia
Tiago Pereira
Fotografia adicional
Karoline Maia e Victor Dias
Direção artística
André Anastácio
Montagem
Victor Dias
Articulação nas comunidades
Anacleta Pires da Silva
Elias Pires Belfort
Hellen Jaqueline Pires Belfort Pereira
Lindomar João dos Santos
Maria Dalva Pires Belfort
Pedrina de Lourdes Santos
Sabrina Hellen de Paula Santos
Sidney Alves Moreira (Pai Sidney)
Assistência de direção
Karoline Maia
Pesquisa
André Anastácio
Fernanda Cabral
Isabella Santos

Processos de intercâmbio
Fernanda Cabral e Isabella Santos
Captação de som direto
Vitor Brandão e André Anastácio
Finalização de som
Bruno Vasconcelos
Finalização de imagem
Bruno Bertogna
Lukas Doraciotto
Tiago Pereira

Design gráfico e Colorização
Lukas Doraciotto
Produção de finalização local
Mato do Tição – Sabrina Hellen de Paula Santos
Santa Rosa dos Pretos – Josiane do Espírito Santo Pires da Silva
Oliveira – Tamires Alessandra da Silva
Legendas
FRAMES
Jaque Del Debbio
Lygia Santos
Zoe Di Cadore
Menu